segunda-feira, 22 de Janeiro de 2018 | 12:01:09 | Tempo e temperatura: Iúna/ES pn Parcialmente Nublado, 19º/31º
Esporte
  • publicidade 023 Notícias
Muniz Freire ensaia volta ao futebol profissional Muniz Freire FC, campeão capixaba de 1991, ensaia volta ao profissionalismo após 20 anos- Acervo do Muniz Freire

Muniz Freire ensaia volta ao futebol profissional

Após assembleia presidida por José Carlos Nicolau, estatuto será refeito e estádio José Ibrahim Nicolau vai ser reformado

24/07/2017 as 08h51 (Atualizado em 20/01/2018 as 04h08). Redação | GloboEsporte.com

O primeiro passo para o retorno do Muniz Freire ao futebol profissional, após um hiato de 20 anos, foi dado nesta quarta-feira, dia 20 de julho, quando uma nova diretoria do clube foi constituída em assembleia geral extraordinária. Na sessão, que foi presidida por José Carlos Nicolau, o Zezé, ficou definido que os novos dirigentes do clube foram empossados para um mandato de quatro anos (confira abaixo a lista com os membros da diretoria). A informação é do site "Boletim MF", do historiador de Muniz Freire, Hebert Soares.

De acordo com Nicolau, que foi ex-goleiro do próprio Muniz Freire e de outros clubes do futebol capixaba como Desportiva, Rio Branco e Colatina, inicialmente as primeiras metas da nova diretoria são a reforma do estatuto do clube, adequando-o ao Código Civil Brasileiro e além disso, fazer uma série de melhorias no Estádio José Ibrahim Nicolau, em parceria com a prefeitura local, para que a praça esportiva possa voltar a receber os jogos da equipe. Em funcionamento pleno, o estádio já chegou a ter capacidade para mais de duas mil pessoas.

O discurso é de cautela sobre a volta efetiva do Muniz Freire ao futebol profissional. José Carlos Nicolau, de 58 anos, e que foi eleito presidente do clube, afirmou que ainda não pode dar a certeza de que o clube vai disputar a Série B em 2018. Porém, prometeu que na próxima semana, irá à Federação de Futebol do Espírito Santo (FES) para saber a real situação do clube perante a entidade.

- O povo aqui é muito animado com o futebol. Mas faz 17 anos que o nosso estádio foi desativado e o estado dele é precário. Conseguimos um convênio com a prefeitura para a reforma dos vestiários, que já vão começar agora. Precisamos reacender a chama, então primeiro estamos adequando o clube e depois a gente começa a pensar em voltar ao futebol profissional, principalmente com a ajuda do povo, porque sem eles não somos nada. É o nosso sonho voltar a disputar campeonatos, reativar as escolinhas que a gente sempre teve. Mas é muito precipitado voltar já em 2018, não acredito que com tão pouco tempo voltaríamos. Talvez em 2019, porque dependemos da reforma do estádio, que está muito danificado, não é pouca coisa. Vamos primeiro melhorar a casa, porque não vamos entrar num campeonato pra fazer feio. É dar um passo de cada vez, e o estádio pode envolver a cidade. De qualquer forma, na próxima quarta-feira eu irei à Federação de Futebol para me inteirar, ver quais são os procedimentos legais e acertar a situação do Muniz Freire - revelou o dirigente.

A última participação do time profissional do Muniz Freire no Capixabão foi em 1997. Ou seja, completam-se 20 anos de hiato do time azul e branco em campeonatos estaduais. Nos últimos anos, a equipe disputou algumas edições do campeonato sulino amador.

- Quando se fala em Muniz Freire Futebol Clube é uma coisa impressionante, as pessoas se envolvem, se oferecem para ajudar. Se eu chegar pra você e dizer que vamos disputar o estadual em 2018 eu vou ser muito precipitado, mas realmente em 2018 é muito curto o prazo. O desejo é grande, todo mundo cobra isso, o objetivo nosso é esse, de voltar aos campeonatos - finalizou o presidente do Muniz Freire.

Confira a nova diretoria do Muniz Freire

Presidente: José Carlos Nicolau (Zezé)

Vice-presidente: Lourival Soares Louzada

1º Secretário: Edirceu do Carmo Silva

2º Secretário: Jaimerson Marques da Silva

Diretor Social: Edson Fonseca Lima

Diretor de Esportes: Rogério Paulucio

Conselho Fiscal – Titulares: William Nicolau Filho, Carlos Alberto de Souza (Mariola), Sérgio Pastore (Michuleta).

Conselho Fiscal – Suplentes: Eduardo Nicolau, Jackson Soares Tertuliano, José Antônio Peixoto (Batata).

1º Tesoureiro: Cláudio Barreto

2º Tesoureiro: Robson de Aguiar

Água no chope grená e único título estadual

Na decisão do Capixabão de 1991, que foi disputada em duas partidas, Muniz Freire e Desportiva Ferroviária fizeram jogos eletrizantes. O time sulino, sob o comando do técnico Marcos Magalhães, acabou se sagrando campeão com uma vitória por 1 a 0, em Muniz Freire, e um empate por 2 a 2 no Engenheiro Araripe, botando "água no chope" grená nesta final.

O meia-atacante Arildo Borges marcou o único gol do jogo de ida da final, que foi disputado no Estádio José Ibrahim Nicolau, em Muniz Freire (assista no vídeo acima). Sérgio e Índio, pela Águia, e Marcelo e Welder, pela Locomotiva Grená, marcaram os gols do jogo de volta da decisão, que foi disputado no Estádio Engenheiro Araripe, em Cariacica

Na competição, o clube também conseguiu fazer o artilheiro, que foi o atacante Zé Carlos Baiano, que marcou 18 gols. Na semifinal, contra o Linhares, o jogador fez cinco gols no mesmo jogo, na vitória por 5 a 1, no Estádio José Ibrahim Nicolau. O Muniz Freire foi campeão com uma campanha de 20 jogos, 12 vitórias, quatro empates e quatro derrotas. O clube também tinha jogadores folclóricos, como Zé Gatinha, Índio, João Vovô, Binha, Zito, Cabeça e Mão de Onça, que é o apelido do atual presidente do clube, José Carlos Nicolau.

Confira a escalação do Muniz Freire campeão capixaba de 1991

Titulares: Flávio, Ricardo, Binha, Sérgio Andrade e Adelmo; Tadeu, Zé Gatinha, Zé Carlos Baiano, Índio, Carlinhos e Arildo Borges.

Reservas: Rafael, Mendonça, Rildo, Juarez, Alves, Mão de Onça, Adriano, João Vovô, Zito, Cabeça, Valcir, Rogério e Valmir.

Técnico: Marcos Magalhães

Campeão da Série B do Capixabão em 1989

Em 1989, o Muniz Freire foi campeão da Série B do Capixabão, inclusive tendo como goleiro o atual presidente José Carlos Nicolau, que na época era conhecido pelo apelido de "Mão de Onça". Na decisão, o Muniz Freire derrotou o Sauassu, (que depois mudaria de nome, se tornando o Aracruz), com um empate por 1 a 1 no primeiro jogo e uma vitória por 1 a 0 na segunda partida. Luiz Alberto foi o herói sulino, marcando os gols do Muniz Freire nas duas partidas. Em toda a competição, o atacante marcou um total de nove gols.

 

Por Richard Pinheiro e Sidney Magno Novo, Muniz Freire, ES

  • publicidade 021
Desenvolvido em Software Livre por Logomarca da Imppactmidia