domingo, 22 de Outubro de 2017 | 08:10:57 | Tempo e temperatura: Iúna/ES pt Pancadas de Chuva à Tarde, 19º/31º
Saúde
SUS incorpora medicamento para convulsões em pessoas com microcefalia O levetiracetam também será incorporado para tratamento de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil

SUS incorpora medicamento para convulsões em pessoas com microcefalia

Levetiracetam será ofertado no âmbito do Sistema Único de Saúde. Prazo para efetivar oferta é 180 dias

05/09/2017 as 09h02 (Atualizado em 19/10/2017 as 20h21). Redação | Portal Brasil

A substância levetiracetam será incorporada ao Sistema Único de Saúde (SUS) para tratamento de convulsões em pacientes com microcefalia. O Ministério da Saúde publicou, no Diário Oficial da União desta segunda-feira (4), portaria que regulamenta a incorporação do medicamento.

O texto da portaria estabelece que o prazo máximo para efetivar a oferta ao SUS é de 180 dias e que o relatório de recomendação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) estará disponível no endereço eletrônico http://conitec.gov.br.

O levetiracetam também será incorporado para tratamento de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil resistentes à monoterapia, de modo associado ao medicamento já utilizado. O prazo para efetivar a oferta da substância para esses fins também é de 180 dias.

Histórico

O registro do genérico Levetiracetam, inédito no Brasil, foi aprovado em outubro de 2016, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para o tratamento de crises convulsivas. A medida significa ao menos uma nova opção para os pacientes que precisam desses medicamentos. Na prática, quando um medicamento genérico inédito é aprovado, o medicamento de marca passa a ter um concorrente no mercado.

Pela lei, o remédio genérico já entra no mercado a um preço mais barato que o produto de marca. Essa redução representa um desconto de pelo menos 35% em relação ao preço máximo da tabela da Anvisa.

Descrição

De acordo com a Anvisa, o levetiracetam é apresentado na forma de comprimido revestido ou solução oral e é indicado como monoterapia (não combinado com outros medicamentos antiepilépticos) para o tratamento de crises convulsivas parciais, com ou sem generalização secundária, em pacientes com 16 anos ou mais e diagnóstico recente de epilepsia.

 

Fonte: Portal Brasil, com informações do Diário Oficial da União e da Anvisa

  • publicidade 021
Desenvolvido em Software Livre por Logomarca da Imppactmidia